De acordo com o decreto presidencial de 21 de agosto, publicado em Diário da República angolano acompanhado do respetivo acordo entre os governos dos dois países, esta alteração beneficia a prospeção de mercado, reuniões de negócios, negociação de projetos de investimento ou viagens de empresários e quadros dirigentes.
O acordo deverá entrar em vigor nas próximas semanas, depois de concluídas as formalidades técnicas, por prever um mecanismo de facilitação na concessão de vistos ordinários, no caso angolano, e de negócios, da parte do Brasil.
A 16 de junho passado, no âmbito da visita oficial do Presidente angolano ao Brasil, os Chefes de Estado dos dois países - José Eduardo dos Santos e Dilma Rousseff - assinaram precisamente um protocolo prevendo a facilitação da concessão de vistos.
"Esperamos que os investimentos dos empresários angolanos no Brasil venham a crescer", disse, na ocasião, em Brasília, o Presidente angolano José Eduardo dos Santos.
Estes vistos, que não permitem o exercício de qualquer atividade remunerada, passam a ser válidos para "múltiplas entradas" - em ambos os países - num período de 24 meses, "permitindo ao seu titular uma permanência de até noventa dias, não prorrogáveis" por ano, lê-se no texto do acordo.
Alterações justificados, no mesmo acordo, com a "necessidade de se promover e facilitar a circulação dos respetivos nacionais nos territórios de ambos os Estados" e face ao empenho em "promover o desenvolvimento dos laços sociais, económicos, culturais e de intercâmbio nos diversos domínios".
Os dois governos dizem-se ainda "animados pelo desejo de consolidar e fortalecer as relações de amizade e de cooperação em matéria de circulação de pessoas", segundo o mesmo acordo.

De acordo com o decreto presidencial de 21 de agosto, publicado em Diário da República angolano acompanhado do respetivo acordo entre os governos dos dois países, esta alteração beneficia a prospeção de mercado, reuniões de negócios, negociação de projetos de investimento ou viagens de empresários e quadros dirigentes.

O acordo deverá entrar em vigor nas próximas semanas, depois de concluídas as formalidades técnicas, por prever um mecanismo de facilitação na concessão de vistos ordinários, no caso angolano, e de negócios, da parte do Brasil.

A 16 de junho passado, no âmbito da visita oficial do Presidente angolano ao Brasil, os Chefes de Estado dos dois países - José Eduardo dos Santos e Dilma Rousseff - assinaram precisamente um protocolo prevendo a facilitação da concessão de vistos.

"Esperamos que os investimentos dos empresários angolanos no Brasil venham a crescer", disse, na ocasião, em Brasília, o Presidente angolano José Eduardo dos Santos.

Estes vistos, que não permitem o exercício de qualquer atividade remunerada, passam a ser válidos para "múltiplas entradas" - em ambos os países - num período de 24 meses, "permitindo ao seu titular uma permanência de até noventa dias, não prorrogáveis" por ano, lê-se no texto do acordo.

Alterações justificados, no mesmo acordo, com a "necessidade de se promover e facilitar a circulação dos respetivos nacionais nos territórios de ambos os Estados" e face ao empenho em "promover o desenvolvimento dos laços sociais, económicos, culturais e de intercâmbio nos diversos domínios".

Os dois governos dizem-se ainda "animados pelo desejo de consolidar e fortalecer as relações de amizade e de cooperação em matéria de circulação de pessoas", segundo o mesmo acordo.